As virtudes da Análise de Negócios - Artigo - Gigante Consultoria

ARTIGOS

NOTÍCIAS DA GIGANTE

As virtudes da Análise de Negócios

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Fabrício Laguna

Palavras-Chave: Análise de Negócios, Virtudes

 

Este artigo pretende contribuir com um tema que me parece pouco abordado na literatura de Análise de Negócios, mas de profunda relevência para os praticantes desta disciplina: Virtudes.

O Guia BABOK do Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios lista as atividades, técnicas e competências geralmente utilizadas e reconhecidas pelos seus praticantes. Nada discorre, contudo, sobre virtudes. Uma atividade (ou tarefa) é o que se faz. Uma técnica é como se faz. Uma competência pode ser um conhecimento, habilidade ou comportamento necessário para se executar uma atividade ou usar uma técnica. Ou seja, o guia é pragmático, fundamentalmente focado na prática da AN.

Virtudes pertencem a outra esfera. Estão menos ligadas à disciplina da Administração e mais associadas à Filosofia. Menos práticas e mais conceituais. Reflexivas. Intangíveis.

Um amigo uma vez me definiu a Filosofia como “a ciência tal, que sem a qual, tudo seria tal igual”. Confesso que achei a definição bastante divertida, e totalmente aderente a falta de utilidade prática desta ciência que, a princípio, parece trazer mais confusão do que esclarecimento. Mas será? Será que a humanidade seria a mesma sem as contribuições de Platão, Sócrates, Epícuro, Descartes, Voltaire, Spinoza, São Tomás de Aquino... só para citar alguns? Penso que não. A mim parece que as questões filosóficas como a Moral ou a Ética direcionam nossas decisões, motivações, posturas perante os outros e perante as situações vivenciadas. Estas questões, por fim, direcionam indiretamente todas as nossas ações. São portanto, nossa essência.

Deste modo vejo grande relevância em discutir as virtudes da Análise de Negócios. Elas são de fato a essência do que trata esta disciplina. Buscando aprendê-las ou ao menos imitá-las, poderemos saber o que devemos ser, fazer ou de que modo agir para sermos considerados analistas de negócios “virtuosos”.

Mas o que é uma virtude?

VirtudeVirtude é poder. Mas não um poder qualquer ou genérico como “A Força” da qual falava o Mestre Yoda de Guerra nas Estrelas. Virtude é um poder específico. A virtude de alguma coisa é o que constitui o seu valor para quem dela necessita. Por exemplo, a boa faca (ou a faca virtuosa) é a que corta bem, o bom remédio é o que cura bem e o bom veneno é o que mata bem.

Aqui se encontra a dificuldade de se discutir virtude do ponto de vista filosófico: O que é um homem virtuoso? Ou em outras palavras, em que constitui o seu valor? Para responder esta questão é preciso antes refletir sobre uma questão anterior: Para que serve um ser humano? A faca, o remédio e o veneno tem objetivos claros e bem definidos, mas seres humanos nascem sem rótulo ou objetivo específico. A filosofia deverá responder a esta questão indicando que o homem virtuoso é o homem “bom” ou, aquele que faz o “bem” de acordo com princípios morais. Definindo e explicando o que são as virtudes, podemos inverter a ordem destas questões existenciais e indicamos o caminho para que alguém possa se tornar um homem bom: “Quais são as virtudes que nos tornam bons?”

Do mesmo modo, proponho aqui o exercício de listar as virtudes da Análise de Negócios para que seja possível estabelecer o que é um “bom analista de negócios” e, deste modo, esclarecer a essência desta disciplina. Para este trabalho me baseio no livro “Pequeno Tratado das Grandes Virtudes” de André Comte-Sponville. Certamente, minha lista não irá esgotar o assunto ou listar todas as virtudes que um profissional deve desenvolver em sua carreira. As virtudes que escolhi foram as 5 que me pareceram as mais relevantes ou essenciais: humildade, simplicidade, boa-fé, prudência e compaixão.

As 5 virtudes essenciais da Análise de Negócios

1.     A humildade

Humildade não é pobreza ou baixeza. Ser humilde não é ser modesto, ser pouco, contentar-se com pouco ou diminuir-se. A humildade está relacionada a reconhecer-se assim como se é: limitado. Saber-se humano, não divino. Conhecedor de alguns fatos e não dono da verdade. “Quanto mais sei, mais sei que nada sei”, dizia Sócrates com a humildade de um gênio.

Apresento esta como a primeira virtude essencial da Análise de Negócios pois, ela relativiza toda certeza e exclui qualquer possibilidade de anteciparmos soluções antes de entender claramente as necessidades e pontos de vista de todas as partes interessadas.

O analista de negócios atua como elo entre diversos pontos de vista em busca de um consenso. Não é o seu ponto de vista pessoal que deve prevalecer, mas o que agrega maior valor às principais partes interessadas. Entender seu papel nesta busca exige grande humildade. É preciso reconhecer sua limitação e atuar como facilitador do sucesso dos outros, com os outros e para os outros. Não o seu sucesso pessoal. Desta forma, a Análise de Negócios será bem sucedida.

2.     A simplicidade

À humildade, às vezes falta simplicidade. Julgar-se, avaliar diferentes e múltiplos pontos de vista, considerar opiniões, desejos, incertezas e buscar analisar tudo isso para daí tirar um resultado consensual não é tarefa simples. É muito arriscado perder-se numa infinidade de descrições e conceitos. Por isso as virtudes são necessárias e se complementam.

Ao simples basta o real. O real é o que é. “A rosa não tem porque, floresce porque floresce, não se preocupa consigo, não deseja ser vista...”, contudo, se quisermos descrever uma rosa podemos nos perder numa complexidade infinita. Quão complexo é uma rosa! Para a simplicidade, contudo, basta admirar sua beleza. A inteligência é a arte de reduzir o mais complexo ao mais simples, não o inverso.

Esta inteligência da simplicidade é essencial à Análise de Negócios. Sem menosprezar a complexidade do mundo real, decompor uma realidade complexa em modelos simples e de fácil entendimento é a arte da análise que permite a tomada de decisão consciente.

3.     A prudência

Uma das 4 virtudes cardeais da antiguidade e da idade média (juntamente com a coragem, a temperança e a justiça), a prudência é a virtude de deliberar corretamente sobre o que é bom ou mal e agir em consequência disso. Pode também ser chamada de “bom senso” ou até mesmo de “inteligência”.

Se a humildade e a simplicidade podem, em algumas situações, colocar-nos em cheque quanto ao caminho a seguir, a prudência é que deve direcionar. Sem prudência, as outras virtudes são cegas e não saberiam como agir.

Mais do que uma ciência, a prudência é uma virtude que aconselha quando a ciência não tem respostas. Mais do que a simples fuga de todos os perigos – o que poderia causar a paralisia – a prudência pode, em alguns casos, nos orientar ao combate, a um risco imediato, para evitar um risco maior no futuro ou para conquistar um objetivo maior. Prudência decide as ações de hoje com base na previsão do futuro com o intuito de influenciá-lo.

A análise de negócios carece da prudência para avaliar diferentes alternativas de solução de problemas considerando seus diferentes custos, riscos, oportunidades, retornos, vantagens e desvantagens e escolher aquela que puder maximizar a felicidade e minimizar o sofrimento das partes interessadas.

Que arriscado seria investir em projetos sem prudência?

De fato, não é disso que trata essencialmente a Análise de Negócios?

4.     A boa fé

Agir de boa-fé é agir de maneira sincera, autêntica, verdadeira. É o oposto da má-fé, que age com a intenção de enganar, manipular, explorar. Das virtudes, esta é a única que vejo, mesmo que discretamente, relatada no BABOK. Lá ela é apresentada como parte das Competências Fundamentais com o nome de Características Comportamentais (Capítulo 8.2). Neste capítulo do guia são descritas a Ética e a Confiabilidade. Para que alguém consiga atuar como analista de negócios é preciso que as partes interessadas lhe confidenciem seus problemas, dificuldades e fragilidades na confiança de que estas informações serão utilizadas da melhor forma possível para trazer-lhes resultados positivos em direção à solução de seus problemas. Por isso é importante conquistar a confiança. Digo “conquistar” porque confiança não pode ser decretada ou atribuída. Mas como? Quem é merecedor dela?

A resposta está na virtude da boa-fé. Ser de boa-fé é sempre dizer a verdade. Ou ao menos o que acreditamos que seja a verdade. É o que também se chama de sinceridade. O homem de boa-fé age sempre com postura ética e por isso é merecedor de confiança.

5.     A compaixão

De todas as virtudes, essa me parece a mais essencial ao praticante da Análise de Negócios. Se um profissional me procura e indaga sobre o que precisa para ter sucesso como analista de negócios, minha resposta é que é preciso ter compaixão.

Paixão é sentimento, sofrimento, alegria.

Com significa junto, somado.

Deste modo, quem tem compaixão é capaz de sentir junto com o outro. Compadecer é sofrer com o sofrimento do outro. Ter compaixão também pode significar alegrar-se quando o outro se alegra. Sentir o que o outro sente.

Em um projeto de criação de um novo produto ou serviço, se sinto compaixão pelos clientes ou usuários deste produto, consigo me colocar em seu lugar e entender com facilidade seus requisitos e luto por priorizar os mais importantes.

Se me coloco no lugar do investidor ou do patrocinador, sinto como se o dinheiro empregado em um projeto do qual participo fosse meu dinheiro. Desta maneira busco otimizar ao máximo o retorno, removendo custos (ou requisitos) desnecessários e investindo em busca do maior valor agregado.

Se me vejo no papel da equipe do projeto (desenvolvedores, engenheiros, testadores) fica claro para mim a melhor maneira como as especificações de requisitos devem ser representadas para que possam ser entendidas com facilidade e sem ambiguidade e assim facilitar o trabalho no projeto.

Para o praticante da Análise de Negócios, essa virtude pode suprimir todas as outras 4. Não no sentido de que as outras não são mais necessárias, mas pelo contrário, no sentido de que são alcançadas naturalmente pela compaixão. Colocar-me no lugar do outro é um extremo exercício de humildade, pois coloca o ponto de vista do outro acima do meu próprio. Buscar a melhor forma de comunicar o que faço é buscar a simplicidade. Encontrar a solução de maior valor para diminuir o sofrimento e aumentar a alegria de quem compadeço é justamente o exercício da prudência. E por fim, se me coloco na posição do outro, se me preocupo de fato, se me importo, como não agir de boa-fé.

A compaixão nos permite olhar o contexto com a visão das diversas partes interessadas em uma mudança, entendendo a fundo as necessidades e propondo as soluções que maximizem os resultados.

Conclusão

Embora as virtudes a princípio não tratem de atividades práticas ou mesmo de conhecimentos ou habilidades, desenvolvê-las é essencial para poder agir com excelência. É possível aprender uma virtude. Para isso, em princípio copiamos a forma de agir de quem a tem ou buscamos fazer aquilo que se espera de quem a tenha. Com o passar do tempo, esta forma copiada torna-se a nossa própria forma de agir. Assim nos tornamos virtuosos.

A Análise de Negócios virtuosa é baseada na humildade, na simplicidade, na prudência, na boa-fé e principalmente na compaixão.

 


CLIENTES
ACESSE A GIGANTE NAS REDES SOCIAS
11 9 9659 8948
11 9 9659 8550
GIGANTE CONSULTORIA 2014. Todos os direitos reservados.
GONC - Criação e Design de Sites Netwish - Desenvolvimento de Sites